Perennials: Conheça as pessoas sem idade

Perennials não são velhos, mas nem sempre podem ser descritos como jovens. 

Isso é porque as pessoas que se enquadram nessa terminologia pertencem a um modo de vida muito mais livre. 

 Nele a ideia de idade é abstrata e não há roupas ou hábitos próprios para definir o que é maturidade ou jovialidade. 

Afinal, estas são questões subjetivas, não são? 

Perennials provam que sim. 

Millenials? Alfas? Baby Boomers?  

Esqueça! Perennials são todas ou nenhuma dessas identidades cronológicas numa mesma pessoa. 

E pode parecer confuso, mas talvez você até conviva com um perennial, embora não saiba disso. 

Sabe aquele amigo ou amiga que você olha e pensa: “Nem parece que tem 40, 50, 60, 70 anos?”  

Pois é, eles estão aí pra provar que você tem a idade que você sente. 

Seus hábitos te definem, mas até que ponto? 

Tricotar ou dançar até o chão numa balada.  

Perennials podem ter 20 ou 80 anos, você nunca vai saber a diferença! 

Afinal, por que o prazer de realizar um esporte, alguma forma de artesanato ou se divertir numa balada deveria ser usado para definir a idade de alguém? 

Pelo menos, ao que me parece, o gosto por realizar alguma coisa só diz respeito à sua própria personalidade. 

Você consegue imaginar alguém se considerar velho por preferir esta ou aquela cor? Esta ou aquela comida? 

Pois é, ser perennial é colocar a sua personalidade acima de ideias pré-definidas de idade ou geração. 

De onde veio o termo? 

Premiada, empreendedora e criativa, Gina Pell acredita que a idade das pessoas tem muito mais relação com a forma com que elas se sentem do que com a data em que nasceram. 

A diretora de conteúdo do The What chegou a publicar um trabalho chamado “meet the perennials” onde explica melhor sua visão sobre o assunto e destaca: 

“O Termo perennials não é somente relacionado às pessoas relevantes com mais de 40 anos. Os Millennials podem ser perennials. Os octogenários podem ser perennials. Até as crianças podem ser perennials.” 

Segundo Gina, o que caracteriza pessoas ageless, ou “sem idade” é que elas estão conectadas, integradas ao que acontece no mundo. 

São homens e mulheres que se mantém interessados em criar coisas grandiosas, criativas e  que inovam. Essas são pessoas extremamente necessárias para o contexto em que estão inseridas. 

O mundo está preparado para os perennials? 

 Os perennials estão sempre experimentando coisas pela primeira vez, conhecendo, perguntando… 

Mas para o mercado, isso tudo ainda é muito novo. 

Afinal, se uma pessoa adulta entrar no setor “teen” de uma loja de roupas, é bem comum que o vendedor questione “é pra presente?” 

Para o mercado, não apenas o tamanho, mas também coisas como detalhes ou cores definem o que é roupa de jovem” e o que é uma “roupa de adulto”. 

Sen do assim, será que o mercado sabe receber uma pessoa livre do conceito de “geração”?  

Se alguém com 79 anos quiser praticar um esporte de impacto, essa pessoa vai encontrar um mercado preparado para ela? 

E se esta pessoa decidir comprar uma lingerie sexy, a vendedora terá opções para mostrar? 

Se quiser ir para uma balada se sentirá confortável e bem recebida? 

A verdade é que o mercado precisa investir em esporte, lazer e diversão para pessoas que querem mais do que simplesmente estarem vivas. 

Viver com plenitude engloba diferentes setores do comportamento e, é claro, ainda há muito o que explorar. 

Os sem idade no mercado de trabalho. 

No cenário onde a idade das pessoas não importa, o mercado de trabalho só tem a ganhar. 

Afinal, os profissionais que não se prendem no conceito de idade são mais interessados em outros aspectos da vida e não se prendem aos padrões. 

Eles são cheios de vontade de fazer mais e o melhor: possuem ampla experiência. 

Quer seja pela paixão com que se debruçam sobre os desafios, ou pelo tempo que já dedicaram na busca pelo conhecimento, os perennials são uma excelente aposta para qualquer empresa. 

Mas se a dúvida é como lidar com eles, saiba que, tanto para entender pessoas assim no dia a dia, quanto para garantir um ambiente mais produtivo, basta disponibilizar, por exemplo, um ambiente onde eles possam exercer as suas individualidades. 

Isso quer dizer que quebrar alguns padrões é a exigência mínima para um mundo mais criativo e cheio de inovações. 

E se você quer receber mais conteúdo com notícias, dicas sobre gestão ou curiosidades, se inscreva aqui na plataforma e me siga nas redes sociais: @crisarcangeli. 

Bjs 

Cris. 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Você Também Pode Gostar